domingo, 25 de maio de 2008

Os Gêmeos Dióscuros

Na história mitológica da Humanidade, os pares de gêmeos ou de irmãos sempre aparecem como uma complementaridade de opostos: Inanna e Ereshkigal eram terríveis inimigas na Babilônia; para os zoroastristas do séc. VII a.C. Ormuzd era o princípio da luz e seu irmão Ahriman era o princípio das trevas; o Velho Testamento nos dá Caim e Abel; nos cristãos gnósticos Emanuel tinha como irmão Satanael; a civilização romana tem seu início mítico com a luta pelo poder dos gêmeos Rômulo e Remo. Os gregos nos deixaram o drama dos Dióscuros ("Dios" = Zeus, "Kouroi" = filhos) Castor e Polux, os filhos da ninfa Leda, que, apesar de casada com o mortal Tíndaro, foi seduzida por Zeus sob forma de cisne. Dessa união surgiram dois ovos: de um nasceram os mortais Castor e Clitemnestra e do outro os imortais Polux e Helena. Castor e Polux se tornaram inseparáveis, apesar de serem muito diferentes entre si, já que o primeiro era guerreiro, forte e impositivo, e o segundo era músico poeta e sensível. Porém, durante a expedição com os Argonautas para conseguir o velocino de ouro, os gêmeos enfrentam uma luta contra Âmico, rei dos bebrícios, e raptam as filhas de Leucipo – Febe e Helaíra – prometidas a Idas e Linceu (também irmãos gêmeos, herdeiros do reino da Messênia), com os quais travam combate. Pólux matou Linceu e Castor foi morto por Idas com um golpe fatal de lança. Ao morrer Castor, Pólux fica inconsolável, porque, sendo imortal, não podia acompanhar seu irmão ao Hades. Atormentado, Pólux suplicou ao seu pai, Zeus, que o matasse ou devolvesse o companheiro Castor. Comovido com tamanha fraternidade, o senhor dos deuses propôs a única solução para salvar o jovem: Pólux deveria dividir a sua imortalidade com o irmão, alternando com ele um dia de vida e outro de morte. Pólux não hesitou em dar a resposta afirmativa e, a partir desse instante, os irmãos passaram a viver e morrer alternadamente, e, no momento da troca, eles poderiam se encontrar e conversar. Para celebrar tamanha prova de amor fraterno, Zeus transformou os Dióscuros na constelação de Gêmeos, onde não poderiam ser separados nem pela morte.
A primeira coisa que podemos observar sobre os geminianos nesse mito é que eles têm muito de pássaros, e por tanto gostam de voar. Outro talento que encontramos nos gêmeos astrológicos e nos mitológicos é o de fazer pactos. Mas é na relação entre eles que encontraremos o significado mais profundo desse signo. Em Gêmeos há uma percepção de um mundo altamente espiritual, imortal e etéreo, e muitas pessoas desse signo possuem um sentido afinado do eterno e das correntes secretas que trabalham para criar a vida. Isso é parte da razão por que eles muita vezes parecem não levar a vida ou suas responsabilidades muito a sério, pois algo muito profundo dentro deles lhes diz que isso não é tudo. Como essas percepções não têm consistência e raramente são bem acolhidas, elas acabam criando problemas. É que enquanto um irmão está no Hades o outro vive na Terra, e muitas vezes a intuição de Gêmeos entra em conflito com seu espírito analítico cuidadosamente estruturado. Ele também é um estranho para si mesmo, não sabe se é um cientista ou um místico, e às vezes tenta bloquear um desses lados - qualquer um dos dois - causando a si mesmo muita angustia nesse processo. As alterações típicas desse signo, seus períodos de bons e maus humores, de extroversão e introversão, são tão curiosas para eles como para os outros, e acaba suscitando a questão de quem ele é de verdade. É claro que ele é ambos, e, de alguma forma, durante o curso de sua vida, o geminiano tem que aprender a traduzir o que se passa em uma esfera para a linguagem da outra, pois os dois são realidade para ele, mesmo que muitas pessoas com quem conviva não entendam isso. Assim, quando Gêmeos está em contato com seu lado divino, ele se mostrará como a colorida borboleta, a criança divina, cheia de brilho. Então, de repente, ele se aliena, se finca na terra e num corpo mortal, e vê que a vida é meio amarga, às vezes sombria e sarcástica, e ele pode se tornar cínico e desagradável, além de pensar bastante na morte. Enquanto o lado divino e brilhante desse signo é leve e agradável, sua mortalidade, o fato de que tem que envelhecer como todo mundo, pesa muito sobre Gêmeos. Isso pode levá-lo a um comportamento bastante instável, e ele poderia se ajudar muito se conseguisse diferenciar conscientemente quando está vivendo Castor e quando está vivendo Polux, tentando fazer com que eles se comuniquem, quando percebe que está passando de uma vivência para outra. Quando Gêmeos percebe que há uma polaridade viva dentro dele - intelectual e emocional, masculino e feminino, consciente e inconsciente - e começa a ver a confusão que faz toda vez que fica pensando se deve fazer um julgamento intelectual ou emocional, ou qual a imagem que deve ter - o que significa ter que anular uma das polaridades - a convivência com os dois lados da vida começa a se fazer mais clara. É por isso que esse signo tem fama de dar bons repórteres, escritores e relações públicas, pois são particularmente sensíveis às duas faces da vida e geralmente têm um bom estoque de idealismo e cinismo. Eles apreciam os dois lados e são os dois lados.
Mercúrio rege Gêmeos, assim como a Virgem, e aqui ele ganha seu aspecto mais claro, sendo fácil reconhecer o menor e mais veloz planeta do sistema solar na velocidade e mobilidade da percepção geminiana. Na mitologia, esse deus leva as mensagens entre os deuses e entre esses e os homens na Terra. Ele não tinha um templo ou um lugar de adoração, e era conhecido como ladrão e mentiroso, protetor do comércio e das estradas. Esse é um deus amoral, inconstante e flexível (guardando algumas semelhanças com o Exu das religiões de origem Iorubá), sempre ligado à comunicação, seja em forma de idéias ou de dinheiro, por canais de comunicação tangíveis ou intangíveis. Vemos isso também na Alquimia, onde Mercurius aparece como símbolo do processo de entendimento, de conexão e de integração. Esses sábios diziam que quando entendiam algo e se fazia a luz, quando duas coisas que não tinham nenhum ponto em comum subitamente se revelavam como uma coisa só, o espírito de Mercurius estava trabalhando. Jung, que estudou profundamente a relação entre a simbologia alquímica e a vida psíquica, identificava Mercurius nos momentos em que o inconsciente pregava peças na pessoa, que, mesmo quando eram destrutivas, enganadoras ou terríveis, sempre tinham uma fonte ambígua e fértil. Gêmeos é o tradutor, o intérprete e o mensageiro, e aqui se encontra a chave que abre o verdadeiro caminho para a vida desse signo, principalmente para os que têm o sol nele. Isso pode até soar esotérico, mas sem dúvida alguma Gêmeos tem o potencial para ser o Grande Transformador alquímico. Para isso ele precisa primeiro encontrar os meios de ligar os opostos dentro de si, aceitando os pólos masculino e feminino, mente e emoção, espiritual e material, luz e sombra. O geminiano passa a maior parte de sua vida se sentindo dividido e dissociado, pois fica experimentando primeiro um oposto e depois o outro, até aprender que ele pode e deve ser os dois. Quando ele consegue se pôr no meio dos dois opostos verá que o que pensava ser um conflito, na verdade, era complementaridade, onde um lado ajuda e sustenta a outra, e por isso não são excludentes. É esse o equilíbrio que Gêmeos precisa encontrar.

4 comentários:

Léo disse...

Teeeca, seu blog é ótimo !!! Fiquei impressionado com a sua compreensão profunda dos signos solares, e também do significados dos planetas em nossas vidas !!! Há tempos eu procurava uma página que não fosse afetada pelos tantos "estereótipos" astrológicos que são vistos em muitos sites pela net. Parabéns pelos textos maravilhosos, e continue nos brindando com seus estudos !!!

Teca Dias disse...

Valeu, Léo!!! Fico bem feliz de saber que de alguma maneira estou conseguindo fazer com que pessoas se interessem mais por essa liguagem smbólica da astrologia, pois acredito mesmo que esse possa ser um caminho privilegiado de auto conhecimento. Obrigada! Beijo
Teca

Curiosa em Ação disse...

Que blog maravilhosos ...
Eu até te 'copiei' umas coisinhas, pois sou geminiana e estou, hoje, em um dia de Hades ... Resolvi escrever algo a respeito disso em meu blog e, pesquisando na net, achei este teu espaço maravilhoso ... Eu já conhecia o mito, há anos leio sobre a mitologia, em especial a grega ...

Gostei muitodaqui e virei mais vezes ...
Espero que não te importes em eu 'pegar' umas palavras tuas para relacionar o mito de Castor e Pólux ao signo de gêmeos ... eu o fiz pq vc escreveu muito bem, enquanto eu levaria um tempão para fazê-lo e, neste meu momento Hades, estou gripada, de cama, em casa .... Se não quiseres, basta me avisar que retiro do ar ....

Bj,
volterei ....

Teca Dias disse...

Cara Curiosa
Na net nada se cria nada se perde, tudo se transforma, então pode copiar, sim. Se vc der o crédito vai ser legal. Acho que vc está em um dia mais lunar do que plutônico, pois essa coisa de ficar de cama, em casa, se cuidando tá com cara de Lua carente, hehe... Em dias de Hades saímos pela noite buscando encrenca...
Cuide-se bem
Beijo lunar
Teca