domingo, 20 de abril de 2008

Touro e o Prazer da Matéria

O Sol começa sua passagem anual pelas terras fixas de Touro, signo regido por Vênus e onde a Lua se exalta. Muitos povos agrícolas iniciavam o ano à partir da Lua nova em Touro exatamente por conta dessa força vinda da Terra através desse signo. Aqui também temos o exílio de Plutão e de Marte, e a queda de Mercúrio, pois esse não é um signo que goste de movimento ou transformação.
Touro é tradicionalmente associado ao seu desejo de segurança e estabilidade material, pois realmente gosta de ter coisas que sejam palpáveis e imutáveis, como barras de ouro e propriedades em seu nome. Riquezas abstratas ou de natureza incorpórea - como beleza interior ou amizades atemporais - não são coisas que ele confie, pois mudam, podem ser corroídas ou podem deixá-lo sem que ele controle. Terra lida com a realidade concreta e tangível, e Touro, sendo a modalidade Fixa desse elemento, tem isso concentrado. Isso quer dizer que ele nunca é loucamente idealista ou ingênuo com relação à suas necessidades e exigências quotidianas, tendo sempre um olho fixo naquilo que é importante para sua sustentação e preservação. Isso faz dele um típico pragmático, que costuma desqualificar as idéias e os comportamentos que não se encaixam em suas fórmulas simples e confortáveis, pois geralmente leva em conta apenas os fatos que considera fundamentais para a sobrevivência: Touro pode mostrar uma total falta de compreensão quanto ao que é simbólico, emocional ou dramático demais, se as coisas não ocorrerem em uma área em que a realidade física aparente esteja envolvida. Esse signo preza pelas coisas de boa qualidade, mas Touro não gosta nem de enfeites complicados nem de muitas opções. Essa previsibilidade pode parecer um tanto aborrecida para signos mais aventureiros, mas sem dúvida é uma das maiores vantagens dos taurinos, pois os ajuda a não cometer tolices e estabelecer a veracidade absoluta de tudo que admitem em sua vida, seja com relação ao trabalho, aos relacionamentos ou aos projetos de vida.
Vênus, a deusa do amor, é a regente de Touro, e inegavelmente essa é a criatura mais sensual do zodíaco, apesar da fama maior de seu signo oposto, Escorpião. Não só por sua vida sexual, mas principalmente por seu prazer com tudo que agrada aos sentidos. Touro tem um gosto apurado para mexer com cores e música, além de um enorme prazer com o toque físico - não só em pessoas mas também em texturas macias como da seda ou do veludo -, com o paladar da boa comida e com o cheiro de boas essências - seja de flores ou de perfumes caríssimos. Os sentidos de Touro são tão apurados e intensos que ele pode achar insuportável ficar em um local que pareça sórdido, cheire mal, seja barato ou feio, e esse é o mais forte instinto taurino para a harmonia. Podemos chamar isso de bom gosto, mas, sendo um gosto de Terra, é algo que tem na consciência exigências sociais e tradicionais, ou seja, algo que prima pela qualidade mas também pela solidez e pela confiabilidade comprovada pelo tempo.
Taurinos adoram fazer coleções, de objetos, de dinheiro e de pessoas. Tudo que colecionam tem valor para eles, o que os fará guardar, cuidar, dar atenção e agarrar com todas as forças aquilo que lhes pertence. Os objetos inanimados parecem não se incomodar com isso, mas quando se trata de pessoas as coisas podem ser mais complicadas, pois, apesar da verdadeira segurança de um relacionamento estável e imutável que os taurinos proporcionam, às vezes são necessárias muitas brigas feias e conversas sérias para convencê-los que o outro tem uma individualidade própria e motivações diferentes. E isso tem que ser dito de forma direta, pois taurinos não se comunicam por telepatia nem entendem sutilezas e indiretas. As relações afetivas desse signo - com objetos e com pessoas - tem expressão corpórea, e isso quer dizer que Touro sabe - e tem medo disso - que nada é eterno, que tudo pode acabar, que a tendência natural das coisas é morrer. Quando esse medo se torna muito grande ele pode lutar contra a perda de forma realmente doentia, mostrando uma possessividade sem limites e um ciúmes assustador. Touro conhece os segredos da fertilidade da Terra, e sabe como fazer para que ela nos dê os frutos para que possamos nos alimentar, mas precisa descobrir e aceitar a transformação daquilo que fenece para fornecer adubo às novas vidas que virão. Quando os taurinos aprendem que a morte é um símbolo de mudança e que às vezes perdemos coisas para dar espaço a outras, então eles conseguem proporcionar a si e ao mundo aquilo que realmente sabem fazer com maestria: criar um ambiente onde sentimos prazer em estarmos vivos, em um mundo material e dentro de um corpo físico.

2 comentários:

Jovem Poeta disse...

Exatamente isso: desejo! Às vezes eu me pergunto: "é o seu corpo (e o desejo) quem te controla ou é você que controla o seu corpo?". O mais frustante é saber que, na maioria das vezes, é a primeira opção quem vence rs.

A razão grita desesperadamente: DESAPEGUE, DESAPEGUE, DESAPEGUE! Mas o ascendente em Touro retruca: Desapegar pra quê? O que é seu é SEU, quem é seu é SEU e deve ser só SEU!

Teca Dias disse...

Adorei, Poeta! Mas a vida acaba ensinando que liberdade também tem valor, né? Sabe, uma vez fiz o mapa de uns monges de clausura e fiquei espantada com a quantidade de taurinos que encontrei, inclusive os dois abades tinham o Sol em Touro. Talvez quando o desejo e o apego se tornam muito grandes, acabam levando a pessoa a buscar algo que seja eterno, que aqui, nessa nossa vidinha querida humana, as coisas passam e morrem mesmo...