terça-feira, 15 de janeiro de 2008

O Tal Retorno de Saturno


Depois que nascemos os astros continuam seu caminho pelo zodíaco – sim, o céu não para porque nascemos – e vão se relacionando com eles mesmos no seu mapa natal. Quando olhamos para a relação entre os astros no céu e o mapa natal estamos vendo os trânsitos pelo seu mapa. Cada um a seu tempo, os astros estarão dando a volta completa por seu mapa e voltando a passar pelo mesmo lugar de quando você nasceu. A Lua, por exemplo, demora 28 dias para dar a volta completa por todo o zodíaco, e assim, depois que nascemos, a cada 28 dias temos um “Retorno da Lua”, ou seja, a cada 28 dias a Lua volta a estar no mesmo lugar que estava quando você nasceu, reforçando sua consciência desse astro. Chamamos isso de ciclo. Existem ciclos muito rápidos, como esse da Lua, que nem nos damos conta, e ciclos tão grandes que não conseguiremos viver o suficiente para acompanhá-lo inteiro, como o de Plutão que é de 248 anos.

Os ciclos astrológicos acompanham os ciclos humanos, e vemos que há uma correspondência entre as fases que vivemos e a relação que os planetas fazem com eles mesmos no mapa. Por isso temos como estar relacionando as nossas idades com fases de desenvolvimento especificas, e podemos dizer que com tantos anos a pessoa está experimentando um processo ligado a tais planetas.

O ciclo de Saturno, com a seriedade e necessidade de autoconhecimento que o caracteriza, é especialmente marcante. Como um verdadeiro mestre, Saturno vai passando pelas varias áreas de nossa vida e nos perguntando do que somos feitos e quão dispostos estamos a fazer o que devemos fazer para ser quem somos. Esse planeta está especialmente ligado àquilo que temos que fazer para realizar nossa vida concretamente. Esse é o estruturador de nossa personalidade, e prestar atenção em seu movimento em nosso mapa ajuda a ver onde precisamos trabalhar para desenvolver uma base firme na nossa existência de maneira realista. Desde que nascemos, a cada 7 anos, o Saturno no céu faz um contato desafiador com ele mesmo no nosso mapa. Segundo Rudolf Steiner, aos 7 anos começamos a ter consciência grupal, aos 14 completamos nossa consciência moral, aos 21 estamos prontos para assumir a nossa responsabilidade frente à sociedade. Entre os 28 e 30 anos passamos pelo Retorno de Saturno, que é quando temos que enfrentar nossos temores para nos tornarmos adultos, e é uma fase conhecida popularmente como crise dos 30.

Uma história vinda do oriente ilustra bem o significado desse retorno saturnino:
Em um reino distante da Arábia, o jovem príncipe havia terminado sua formação para se tornar rei e seu pai o chamou no dia de seu aniversário. Disse que agora que ele estava pronto, precisava passar por um teste de coragem que todos os homens da família passavam antes de poder governar: ele deveria matar o Leão que habitava o fundo de uma caverna na floresta, armado com apenas um pequeno punhal ritual. O príncipe passa a noite em claro, assustado com a idéia de ter que enfrentar aquela fera com apenas uma faquinha de brinquedo, e resolve fugir, pois melhor um covarde vivo do que um herói morto. Depois de cavalgar muitos dias, ele chega ao reino vizinho e pede abrigo. O rei daquele reino o recebe muito bem e ele fica vivendo por ali, ajudando o senhor do lugar em algumas tarefas e ganhando a sua confiança e carinho. O rei, então, lhe oferece a mão de sua filha em casamento para que ele permanecesse ali e o sucedesse no trono. O príncipe adorou a idéia e aceitou na hora. Ele só teria que passar por uma prova de coragem, matando um leão com um punhal ritual que era ainda menor do que aquela de seu pai. O príncipe finge aceitar e durante a madrugada foge novamente, pois não havia desistido de seu reino para morrer em outro, por mais linda que fosse a princesa. Depois de cavalgar a vários dias ele acaba entrando no deserto. Sua água estava no fim quando ele finalmente encontra uma grande tribo nômade e pede abrigo. O chefe da tribo o recebe muito bem e acaba adotando-o entre seus guerreiros. O jovem príncipe estava começando a se adaptar à nova vida e a pensar que essa poderia ser uma boa maneira de continuar seus dias, quando o chefe nômade o chama e diz que gostaria muito que ele continuasse com os seus, mas para isso ele deveria passar por um teste de coragem, matando o leão do deserto com as mãos nuas. O príncipe agradece a honra, mas diz que está na hora de voltar para o seu reino. Ele percebe que não há como fugir dessa prova de coragem, por mais longe que ele vá, então, se é para morrer, que seja em seu próprio reino, onde será enterrado com seus antepassados. Na volta para casa ele vai pensando em todas as desculpas que precisaria prestar a seu pai e uma imensa vergonha toma conta de sua alma. Ao chegar, porém, seu pai o recebe com festas, e quando ele começa a falar as desculpas ensaiadas, o rei o interrompe para dizer que todos os homens da família também passaram por essa vontade de desistir, e o importante era que ele havia voltado e estava pronto para a prova de coragem. No dia seguinte ele recebe o punhal e parte para a floresta. Ao chegar à caverna a fera avança em sua direção e... Começa a lamber seu rosto: o leão era manso como um gatinho.

O Retorno de Saturno é o momento em que precisamos desistir de fugir das feras que temos que enfrentar, aceitando a responsabilidade por nós mesmos e assumindo aquilo que queremos ser na vida sem negar nossos medos e vergonhas. As dificuldades para conseguir aquilo que queremos são muito mais internas que externas, e é se entendendo e se experimentando que nos tornamos mais maduros e sábios. Só assim podemos assumir o governo de nossa própria vida, e teremos passado pelo teste de Saturno. E acredite, o bicho é realmente mais manso do que imaginamos.

4 comentários:

El Gato Poeta disse...

Oi, Teresa!

Vc sabe que o retorno de Saturno é meu favorito. Tomara houvese um novo cada verao!!!!

Grande beijo!

Federico

Lili disse...

Essa historinha do Leão é ótima!

Beijos, Teresa

Alícia

Teca Dias disse...

Pois Federico, vc acaba de passar pela 2ª quadratura de Saturno, que não deixa muito a desejar para o Retorno.
Ah, Alícia, e vc já está voltando pra casa, parabéns!!!
Beijos!!
T

Pietro disse...

ótima explicaçã, a história do Leão então...sem comparação!

abraços!