terça-feira, 29 de setembro de 2009

Revolução Solar: A Face Rebelde do Sol?

"O tempo é a substância de que sou feito. O tempo é um rio que me arrebata, mas eu sou o rio; é um tigre que me destroça, mas eu sou o tigre; é um fogo que me consome, mas eu sou o fogo. O mundo, infelizmente, é real; e eu, infelizmente, sou Borges"
Jorge Luis Borges


A Revolução Solar é o mais popular dos métodos de progressão. Muitas pessoas, porém, pedem para fazer a revolução achando que o mapa progredido substitui o mapa natal. Sinto informar aos que têm problemas com seu mapa natal que o Sol não é um rebelde que resolveu mudar quem você é. A carta astrológica de nascimento indica o padrão formado pelos astros que circundam a Terra e é chamada de mapa radical por ser o fator raiz em toda interpretação astrológica. Rudhyar prefere o termo seminal, pois o horóscopo natal simboliza a semente onde está guardado todo o potencial arquetípico da pessoa, assim como a semente guarda todas as características da futura planta. Sendo assim, uma carta de nascimento é a representação simbólica da plenitude potencial de um microcosmo totalmente aperfeiçoado, mostrando como seria aquela planta plenamente desenvolvida. Porém, não há como garantir que essa planta vá se desenvolver, pois a potencialidade astrológica é um fator abstrato mostrado por uma representação simbólica. Isso significa que quando trabalhamos o mapa astral não temos a indicação de nada factual, nada concreto, nada rigorosamente “destinado”, mas a delineação daquilo que seria a personalidade se ela amadurecesse à semelhança do arquétipo representado, gerando frutos na sua realidade. Através desse paradigma é possível fazer julgamentos em termos de “sucessos” e “fracassos”, no sentido de observar se a pessoa está ligada a esse núcleo central de si mesma e de sua vida, ou não. É com esse argumento que afirmamos ser a astrologia um instrumento de autoconhecimento e de busca de completude, no sentido de um destino que deve ser completado por ser o desdobramento que manifesta concretamente aquilo que as condições interiores representam, e não um sistema de previsão do futuro: destino astrológico é saber que uma semente de maçã tem como “Karma” virar macieira.

Quando estamos trabalhando um mapa temos um universo como definido por Einstein, finito mas ilimitado, numa continuidade espaço-tempo com forma cíclica e não uma esfera fechada. As progressões e direções derivadas visam determinar os desdobramentos de um indivíduo em determinado momento da vida, criando um elemento temporal de compreensão. As progressões e direções mostram fases de maturação ao converter valores de espaço em valores de tempo, transformando os 360 graus do zodíaco em símbolos de fases de desdobramento da vida. Progressões e direções baseiam-se numa análise da movimentação real de planetas e cúspides de casas após o momento do nascimento, como se o nascer não fosse um gesto final e sim algo que se prolonga no tempo, espalhando-se sobre um período de horas (direções primárias), ou dias (progressões secundárias), mostrando eventos que se tornam objetivos no decorrer da vida. Existem, pelo menos, doze métodos diferentes de progressão correntemente utilizadas pelos astrólogos, o que mostra a dificuldade que há em se estabelecer com rigor o seu emprego. No ocidente os métodos mais utilizados são as Progressões Secundárias (ou método “dia-ano”) e o método do Arco Solar de Progressão Primária, mas, como diz Arroyo, isso parece se dever muito mais ao fato de serem os únicos ensinados nas escolas de astrologia americanas do que a uma maior confiança em seus dados. As progressões secundárias parecem refletir acontecimentos psíquicos e períodos de aperfeiçoamento intensivo, embora possam corresponder também a acontecimentos externos específicos. Todos os planetas podem ser “progredidos”, mas é na progressão do Sol e da Lua que temos os dados mais perceptíveis, pois as pessoas geralmente estão muito mais em contato com os ciclos de aperfeiçoamento desses astros.

O mapa da progressão solar, conhecida como Revolução, deve ser calculado para o momento exato em que o Sol completa seu ciclo pelo zodíaco naquele ano, no local onde a pessoa faz aniversário. O movimento solar não é uma constante - variando de 0,51° a 1,23° por dia - e seu retorno exato deve ser buscado nas efemérides. Essa variação no movimento solar – sim, sabemos que é a Terra que se move em torno do Sol e não o contrário! – faz com que o Sol volte ao lugar de origem no seu mapa em momentos diferentes a cada ano. Assim, se a dona Maria, por exemplo, nasceu dia 12/10/1940, às 5h. da manhã em Chá de Alegria, PE (e existe mesmo essa cidade!), ela terá o Sol Natal à 18°50’37”, e o Sol estará nessa exata posição em 2009, se ela passar seu aniversário na cidade natal, dia 11 de outubro desse ano às 21:01:10h. Então você faz o mapa desse momento de aniversário e tem o mapa da Revolução Solar. O mapa criado a partir da posição do Sol Progredido em cada ano mostra como o processo de integração da personalidade prossegue após o nascimento. Podemos ver o modo como a substância pessoal está sendo assimilada em seu amadurecimento e complementação, pensando em uma personalidade que tende à plenitude. O Sol representa o fator de integração do mapa, e as suas progressões secundárias são significativas no sentido de mostrar o processo de incorporação da vontade pessoal. É nesse sentido que o Sol progredido dá as melhores indicações do significado dos próximos doze meses

Nas próximas postagens estarei dando dicas de como olhar para o mapa do seu ano.

4 comentários:

Ana Martin disse...

Estou incrivelmente impressionada com qualquer coisa que você escreve.
Gostaria muito de saber o que se passa na sua casa 3, sua mercurio.
Nunca encontrei alguem que escreve e explica tão historicamente e bem, situações astrologicas.
Adoraria qualquer dia poder ter o prazer de ir em alguma palestra sua, ou simplesmente ter um dialogo, pois é impressionante seu conhecimento!
Parabéns e muito sucesso!

Teca Dias disse...

:)
No seu outro comentário fiz uma resposta mais caprichada,ok Ana?
Abraço

LitoSoft disse...

Oi. Por favor, poderia me explicar qual o critério empregado para o cálculo da 'Progressão Primária'?!?

Venho pesquisando a internet ao respeito mas parece ser q é a mesma coisa que as 'Direções Primárias'...

Obrigado

@>-->---

Teca Dias disse...

Oi Lito
Progressões é o nome mais moderno das Direções, então vc vai poder encontrar coisas com os dois nomes falando da mesma coisa. As progressões primárias envolvem cálculos bem complicados e é preciso ter uma ótima noção de trigonometria. Eu aprendi a fazer esses cálculos a muuuuuitos anos atrás, bem no início dos meus estudos. Fui ver se ainda tinha o livro que me ensinou isso, mas ele se foi por essas estradas da vida. Talvez vc encontre na internet essa coleção de livros chamada Astrologia Gallica, organizada por um astrólogo chamado Jean-Baptiste Morin, do século 17. Essa coleção foi escrita em francês mas sei que tem uma versão em inglês; talvez vc encontre algo em espanhol...
Mas sinceramente, Lito, com os computadores e tudo mais, não sei se vale a pena tantos estudos, a menos que vc seja um matemático querendo novos desafios. De qquer maneira, se eu encontrar algo mando para seu email, ok?