segunda-feira, 26 de novembro de 2007

A Aventura de Sagitário


“Sem paz, sem amor, sem teto,
Caminho pela vida afora.
Tudo aquilo em que ponho afeto
Fica mais rico e me devora”


Rainer Maria Rilke – poeta sagitariano traduzido por Augusto de Campos



Depois do mergulho iniciático às profundezas de Escorpião, o Sol agora busca os amplos horizontes de Sagitário, signo representado pela figura mitológica do centauro, cuja parte inferior do corpo é um cavalo e a parte superior é um homem que impunha um arco envergado e uma flecha pronta a ser lançada. Sagitário é uma força que gera o movimento ascendente a partir de um centro, porém retido por um peso que a liga à Terra. Sagitário e Capricórnio são as duas únicas figuras fantásticas e puramente míticas do Zodíaco; estamos entrando nas últimas constelações, onde as questões pessoais ganham cores coletivas. O Centauro é a união ou síntese da natureza animal e divina do homem, onde corpo e alma, baixo e alto, matéria e espírito, possessão terrestre e aspiração divina, inconsciente e supraconsciente se unem em busca da evolução humana. Seguindo a tríade de Fogo, vemos que o Fogo Cardinal, Áries, representa a chama original em toda sua força animal e instintiva, ao mesmo tempo criadora e destruidora, anárquica e indomável, o Fogo Fixo de Leão é a chama dominada e domesticada que se orienta em prol do eu divino, e o Fogo Mutável sagitariano será aquele que transforma os sacrifícios em oferendas aos deuses, purificando e redimindo a humanidade. Essa é a fonte tanto do otimismo quanto da fé sagitariana, pois ele sabe que toda dor, toda renuncia, toda ferida oferecida pela vida são parte do aprendizado, e a própria vida, em sua abundante generosidade, mostrará a cura, o consolo e a redenção se você continuar andando e acreditando na benevolência dos deuses que te protegem. Mesmo que se chame isso de “sorte”, a verdade é que a vida sempre mostra a Sagitário que ele está certo.
A atitude fundamental e inata em Sagitário é de se comportar na vida como se ela fosse uma aventura, uma viagem, uma busca, e o verdadeiro jogo da vida é fazer com que essa viagem seja o mais interessante, variada, expansiva e informativa possível. A chegada, a meta em si, não é importante. Na verdade ela é relativamente insignificante. A mitificação da vida e de si mesmo, formadores dos signos de Fogo, é um pouco mais complexa no último signo dessa tríade. Enquanto Áries e Leão se vêem como heróis, Sagitário tende a se enxergar como um dos deuses. Se os heróis são sempre bons - ou ao menos estão em busca dessa excelência - os deuses muitas vezes consideram essa referência demasiadamente humana, e, portanto, não precisam se preocupar muito com isso. Sagitário vai mostrar-se muitas vezes como uma figura imponente, nobre, digno e majestoso, mostrando sua face divina respeitosa, principalmente quando há uma boa audiência. Porém, quando a corte se dispersa, ele se transforma no grande libertino do Zodíaco, com toda a sua natureza animal, sempre correndo atrás de algo - geralmente amores -, não por causa de alguma paixão insaciável, e sim pela possibilidade de algo novo e excitante, a aventura, o mistério inexplorável, o inalcançável. Sagitário parece ter essa propensão de achar que está perdendo algo, seja uma paixão, um projeto, uma idéia, um livro, um filme, ou qualquer outra coisa realmente nova que ainda não foi explorada. Os mais extrovertidos serão encontrados nos bares recém fundados, nos restaurantes que estão abrindo, nos filmes de arte exóticos ou num grupo de estudos de qualquer espécie. Muitas vezes Sagitário irá ditar moda por que chega nos lugares primeiro, dando sua aprovação em alto e bom som, e os outros, sabendo que se não fosse bom ele não estaria lá, juntam-se a ele. Os mais introvertidos já terão lido o novo romance, entendido a nova filosofia ou o novo fenômeno cultural, pois o mesmo dom intuitivo que o tipo extrovertido usa para encontrar novos lugares, é usado aqui para encontrar novas idéias. Com tanta extravagância e impetuosidade, os sagitarianos possuem grande facilidade para criar problemas também. Sagitário muitas vezes vai parecer absolutamente insensível e indelicado, pois vai dizer na lata que você está horroroso com essa cara de choro e olheiras profundas, sem se preocupar em saber da história triste que há por baixo dessa aparência realmente terrível. E você não vai conseguir se sentir ofendido, pois essa honestidade sagitariana acaba te mostrando uma verdade que é só se olhar no espelho para comprovar. Como ficar com raiva de alguém que tem coragem de te falar aquilo que todos estão pensando? Nessa aparente brutalidade sagitariana existe uma profunda fé de que você também consiga superar o sofrimento em vez de cultivá-lo. Aquela idéia mundana que diz que os objetivos são atingidos com esforço e disciplina não interessa a esse signo. Mesmo por que, quando ele chega lá e ganha o tal prêmio, irá gastá-lo em cinco minutos.
Outra característica sagitariana é a de estar sempre mudando sua imagem. Assim como seu regente Júpiter se tornava touro, cisne e até chuva de ouro para seduzir suas mulheres na mitologia, o Fogo Mutável adora interpretar papéis, e quanto mais teatral, melhor. Nas estatísticas de Gauquelin, o planeta Júpiter era encontrado com destaque no horóscopo dos 500 deputados da Câmara francesa, dos 676 chefes militares (sic) e dos 500 atores que pesquisou. Sagitário adora grandes cenas, apesar de ter horror à cenas patéticas e muito melosas. Novas roupagens, novas poses, novas técnicas, novas maneiras de alcançar sua meta, Sagitário está sempre procurando estímulo mental para aumentar seu horizonte. Esse signo inflama seu coração para explorar a vida, e, nesse sentido, ele é profundamente religioso, pois desta forma busca se re-ligar ao divino que o originou. Nessa peregrinação, a vida é algo curioso e interessante, onde se deve brincar, explorar, apreciar, penetrar, para, finalmente, compreender e ensinar ao mundo como viver melhor e mais próximo da vida.

Um comentário:

carolina disse...

olá teresa.
Carol(locadora) escrevendo, adorei me encontrar mesmo dentro de sagitario, saudades de nossas conversas breves, mas que sempre me agradaram.
bjos