quarta-feira, 22 de junho de 2011

Conversas de Urano e Plutão





“Há dois erros semelhantes mas opostos que os seres humanos podem cometer quanto aos demônios. Um é não acreditar em sua existência. O outro é acreditar que eles existem e sentir um interesse excessivo e pouco saudável por eles. Os próprios demônios ficam igualmente satisfeitos com ambos os erros, e saúdam o materialista e o mago com a mesma alegria.”
C.S. Lewis – Cartas De Um Diabo A Seu Aprendiz.

Plutão e Urano estão se “enquadrando” nos últimos tempos, e as observações que tenho feito, levando em conta esses astros, me fazem pular de um para o outro. Tá difícil sintetizar e colocar em palavras coerentes. Obrigada Vânia, minha amiga geminiana querida, por ficar me lembrando das várias idéias que andei tendo e me mandar escrever logo. Quadratura funciona assim mesmo: a gente tem que ter calma, paciência consigo mesmo e consciência se quiser juntar as partes em vez de ficar brigando com elas. E é sempre bom ter amigos pressionando pra gente não desistir.

Quando fui buscar os acontecimentos de 250 anos atrás, quando Plutão, mesmo invisível à nossa consciência, estava em Capricórnio (1765 a 1779), encontrei Marques de Sade e sua busca obsessiva e perversa por prazer sexual. Muitos dos chamados libertinos do início do século 19 nasceram nessa época, como Bocage, poeta português que escreveu: “Todas no mundo dão a sua greta:/Não fiques, pois, oh Nise, duvidosa/Que isto de virgo e honra é tudo peta.” (vide postagem sobre Plutão em Capricórnio). Essa também foi a época em que Urano foi avistado e a Razão Humana ganha novo status, a de salvadora da espécie do obscurantismo e superstição religiosos (Urano em Gêmeos), que nos possibilita afirmar ainda hoje, que todos os Homens nascem livres e têm direito à busca da felicidade.

Ok, então vamos buscar as perversões e libertações possíveis nos dias de hoje, derivadas daquilo que nasceu a tantos anos atrás. Não é uma tarefa fácil, já que há um consenso a respeito do que é bom e o que é mal, baseado exatamente naqueles conceitos construídos durante os anos das tais “Luzes” racionais humanas. Aquela coisa de que nós somos os bons e os que pensam diferente de nós são os maus parece ter muito mais força hoje em dia do que em tempos passados, mas tomou a forma que chamamos de “tribo”, onde eu e aqueles que compartilham meu modo de vida nos reunimos e nos cumprimentamos por sermos do jeito que somos. Não conheço ninguém que não se ache aliado do Bem, independente do grupo ao qual pertença. A tribo que se reúne por motivos opostos aos meus, claro que estão equivocados, mas isso não chega a ser um problema. Difícil sair dessa dicotomia sutil em uma época em que tudo é mais ou menos permitido, se tratando da vida individual, desde que seja feito por legítima vontade e não prejudique outras pessoas. Ao menos não prejudique de uma maneira muito evidente e direta. Só como exemplo, para trazer nosso amigo Marques de Sade de volta: hoje em dia você pode perfeitamente ser um sádico e encontrar um masoquista que vai adorar seu prazer sexual ao ferir outra pessoa, e os dois poderão juntos participar de um clube para trocar experiências e até mesmo fazer parte de uma convenção que reúne pessoas de todo o mundo com os mesmos prazeres, como aconteceu há alguns anos atrás nos EUA. Ao mesmo tempo você pode participar normalmente da sociedade, ter família, emprego, seguro saúde e ser uma pessoa bacana. De verdade, não estou sendo irônica. Você teme ter um comportamento ou algum desejo meio estranho? Coloca no Google que com certeza vai encontrar sua tribo. Isso facilita muito nossa convivência social, já que, tendo um espaço para trabalhar nossas diferenças de maneira segura, podemos ser mais tolerantes e nos concentrarmos naquilo que temos em comum em lugar de ficar brigando por espaço no todo. Teoricamente.

Essa crença que compartilhamos – ao menos em cidades mais cosmopolitas -, do “viva e deixe viver”, ou, segundo a constituição norte americana, de que todos têm o direito individual de buscar a própria felicidade, deu sustentação à construção do Capitalismo que vivemos hoje, que acabou se resumindo e limitando ao direito individual de consumir. Assim sendo, se você é gay, preto, mulher, criança, idoso, sado-masoquista, mórbido, ou seja lá qual for a sua, e tiver dinheiro para cobrir suas “esquisitices”, você poderá usufruir de maneira bem significativa essa liberdade de ser você mesmo. E se você ainda por cima separar algo para fazer caridade, há grandes possibilidades de se tornar um herói. Porém, se o seu “karma” financeiro não for muito bom, será interessante você buscar alguma ONG de advogados humanitários se tiver problemas em ter esse direito garantido. Mas de qualquer maneira, você tem direito a ser quem é.

Acho bom fazer um parêntese aqui para deixar claro o que estou falando: Não quero dizer que o Capitalismo em si é mal e todos os pobres são vítimas da sociedade consumista. Ou que ter dinheiro é sinônimo de ser “mascarado”. Para mim, qualquer ideologia é vazia em si. Apenas penso que o que vivemos hoje é algo que o velho e bom Marx, que foi tão brilhante em sua análise do Capitalismo nascente em sua época, não seria capaz de imaginar. Esse texto é apenas uma reflexão sobre o que ando vendo e pensando desde dentro da sociedade em que vivo, portanto com todos os limites que possuo. Fecha parêntese.

E falando em limite, isso é algo que caracteriza nossa humanidade, já dizia nosso amigo Saturno. Assim como a busca por expandir esse limite é um impulso natural, responderia Júpiter. E vivemos nessa sístole e diástole que garante nosso batimento cardíaco humano, encarando nossos limites, buscando nosso crescimento, estruturando nossa personalidade, desenvolvendo nossos potenciais. E aí chegam esses transaturninos e bagunçam tudo! Quando encaramos os transaturninos não se trata mais da minha parte no todo, mas do todo que me faz uma parte.

Então, Urano em Áries vem com a força ideológica que me liberta dos padrões coletivos e me faz acreditar que tenho o direito de “salvar” todo mundo. Plutão em Capricórnio revela aquilo que a hipocrisia reinante – chamada hoje em dia de “politicamente correto” – escondia. Bacana. Vocês assistiram Inside Job (Trabalho Interno)? É um documentário dirigido por um jornalista daqueles que adoram criar saias justas nos entrevistados (Charles Ferguson), e que dá um panorama geral do que aconteceu nos EUA em sua crise mais recente, com todas as sacanagens e jogatinas que rolaram nos bastidores. Orquestrando toda a bagunça americana estão professores doutores de economia das universidades mais conceituadas de lá, que trabalharam direto nos governos Clinton, Bush e Obama sem o menor problema ideológico. Aí você pega um livro de História como o Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil (Leandro Narloch – Ed.Leya), onde você encontra afirmações como a de que os índios não são tão amantes da natureza assim (eles são os precursores da queimada, por exemplo), que negros alforriados caçavam negros fugitivos e Zumbi possuía alguns escravos para fazer o trabalho pesado, Santos Dumont não inventou o avião mesmo, João Goulart deu a maior força para as empreiteiras, e assim por diante. Olhando essas “revelações” que vão surgindo, depois de alguma interjeição de surpresa - mesmo quando vem de um jornalista da revista Veja como o Lenadro Narloch, o que me deixa um tanto desconfiada – a gente reflete um pouco sobre o contexto geral e percebe que essas coisas fazem sentido dentro da consciência em que vivemos, e as conseqüências disso não são assim tão difíceis de digerir. Ou alguém aí acredita que, em uma economia globalizada, as bobagens feitas nos EUA vão fazer o mundo – ou o Capitalismo – acabar, ou que o fato de negros escravizarem negros em um tempo escravocrata tira o valor do movimento de consciência negra atualmente?

Então, em uma postagem do facebook de uma amiga, aparece um vídeo da Marcha Pela Desigualdade e Pelo Ódio, contra a PL 122, patrocinado pela bancada evangélica do Congresso. Sim, os evangélicos, aqueles que seguem o Evangelho, a boa nova que traz Jesus Cristo de que devemos amar nossos inimigos. A PL 122 é um projeto de lei que acrescenta aos crimes de preconceito a discriminação de homossexuais, idosos e pessoas com necessidades especiais. Você vê o vídeo e acha que é brincadeira de desocupado. Mas não é não: minha amiga de Brasília viu com os próprios olhos um povo reunido na manifestação a favor da homofobia, com camisetas, cartazes e tudo que tinham direito. Vai lá no youtube se quiser dar uma olhada no vídeo. Aqui sim, minha prepotência compreensiva de ser iluminado pela Razão foi para o saco e se transformou em prepotência de tribo contra outra tribo. Ui, aqui tem transaturnino em ação, pensei eu. Reproduzo os argumentos apresentados, com meus comentários entre parênteses:
- “nós, evangélicos, sofremos preconceito. Porque devemos evitar que os outros sofram também” (na lei, preconceito religioso também é crime);
- “o PL 122 tira meu direito de discriminar quem eu quiser, onde eu quiser” (sic);
- “então o que? Se eu bater num travesti, então eu vou preso?” (substitua travesti por preto, mulher, numa criança, em velho, num deficiente, num muçulmano, num pobre, num gordo ou qualquer coisa que você seja);
- “eu não quero que meu filho nasça num mundo onde todos tenham direitos iguais” (essa afirmação diz que essa pessoa quer ter filhos no mundo oposto em que eu quero ter o meu);
- “o PL 122 tá vindo pra acabar com a minha liberdade de expressar a minha homofobia” (aqui você pode substituir homofobia por pederastia, genocídio religioso ou cultural, ou qualquer outra possibilidade que fere a consciência que criamos dizendo que todo mundo tem direito a ser quem é sem ser violentado por isso. Incluindo o direito de ser evangélico, claro. Dá até para expressar isso na terapia, para rever trauma de infância e curar isso, mas para atacar outra pessoa é diferente);
- “com o PL 122 os homossexuais querem se fazer de vítimas, mas o que eles não conseguem entender é que no fundo (pausa dramática) eu tô lutando contra mim mesmo” (que? Eu também não entendi essa, mesmo sendo hétero. Será que se está argumentando que estará lutando contra a própria homossexualidade? Ou se está querendo dizer que o ódio aos homossexuais é algo inerente a esse pobre ser humano? Cada um tire suas próprias conclusões).

Se você já leu e assistiu documentários sobre a formação do Nazismo na Alemanha – recomendo o fantástico “Arquitetura da Destruição”, documentário sueco dirigido por Peter Cohen – vai reconhecer esse discurso. Pois bem, a construção do Nazismo foi feita exatamente durante o trânsito de Urano em Áries enquadrando com Plutão em Câncer, signo oposto de Capricórnio, portanto com a mesma modalidade básica complementar.

Em meio a tantas transformações acontecendo, será que uma manifestação dessa tchurma tem realmente algum interesse? Espero que não, mas o fato de existir essa possibilidade é importante de ser analisada. Quando surgiram, os nazistas também foram chamados de malucos desocupados pela elite intelectual da época. Deu no que deu. Se Urano em Áries está usando a força heróica individual para romper as limitações ideológicas e Plutão usa a estrutura capricorniana para mostrar as emoções obscuras que fervem por baixo da correta aparência social, então esse discurso preconceituoso faz sentido.

Bom, então parece que estamos vivendo o momento de testar o que é verdade interna naquilo que pregamos e vivemos. E minha pergunta é: como vivemos nossos pré-conceitos individualmente? Como exemplo pessoal, conto pra vocês que a vontade espontânea que tive ao ver esse vídeo foi a de mandar prender esses manifestantes, já que compartilho da ideologia reinante do “viva e deixe viver”, e isso faz com que me sinta segura na sociedade em que vivo: essas pessoas ameaçam minha segurança e minha reação espontânea é de medo. Assim como quero que a polícia multe o idiota que quer burlar o trânsito pelo acostamento ou pára em faixa para pedestres. Vejam só: quero que os mecanismos de repressão da sociedade em que vivo limitem aqueles que ameaçam a minha segurança social. Normal, certo? E fácil, ao menos aqui. Passamos isso para Israel, com três diferentes sociedades querendo segurança para sua tribo, ou para os países em guerra na África, onde parece que o meu direito é ameaçado pela existência do outro. Mais complicado, já que o direito individual pela busca da felicidade não está condicionado ao não causar dano ao outro que também tem o mesmo direito. O que me questiono é se realmente acreditamos em uma sociedade justa e vivemos isso por consciência ou nos limitamos a aceitar as regras por medo de sermos violentados. Traduzindo pro cotidiano: não ando pelo acostamento da estrada por que acredito que somos todos iguais vivendo o mesmo trânsito e não sou melhor que ninguém para chegar mais rápido em casa, ou fico passiva naquele engarrafamento terrível por me sentir segura dentro das regras e poder criticar quem faz diferente? Acho que é um bom momento para começar a pensar a respeito. Como dizem os budistas, até que ponto minha motivação é pura?

Enfim, meus caros, não tenho nenhuma conclusão para apresentar para vocês. Estou começando a vislumbrar essa possibilidade de investigação. Dentro e fora. Saber até que ponto nossos atos são comandados por nossa capacidade de consciência positiva e quanto estamos interagindo através de nossa sombra, por medo, raiva ou confusão, vai além da boa aparência que podemos ter no filme que estamos fazendo de nós mesmos. E é nessa falta de noção sobre nós mesmos – e eu diria até certo descaso a respeito -, que os transaturninos nos pegam e nos fazem crer que algum destino externo está nos levando para onde não queríamos ir. Retomando a construção do Nazismo, vocês assistiram “Um Homem Bom” (Good – direção de Vicente Amorim)? Fala disso, e eu recomendo. Não acredito – ou me recuso a acreditar – que vamos fazer outra atrocidade como a da 2ª Grande Guerra, mesmo porque, depois das armas nucleares, destruir o Outro (seja o mocinho ou o bandido da história), significa suicídio. Mas como estamos vivendo um novo processo com essa combinação de transaturninos, é bom pensar sobre o que anda acontecendo e qual a melhor maneira de viver isso. A arma que temos é nossa consciência individual, a luzinha de vela que Jung dizia que devemos proteger a todo custo das tempestades coletivas.

4 comentários:

flor do cerrado disse...

"Mas como estamos vivendo um novo processo com essa combinação de transaturninos, é bom pensar sobre o que anda acontecendo e qual a melhor maneira de viver isso."

'com consciência e muuuuuuuuita paciência', rsrsrs. acho que o cuidado agora é com a integridade, plutão "quer" a verdade (boa/má) e urano "quebra tudo"... curioso é que nessa nossa época se fala em uma nova consiência (ambiental, espiritual, holística) será que agora com plutão quadratura urano, veremos quão verdadeiro são esses discursos?

Teca Dias disse...

Pois é, e é bom também ter cuidado para ver se estamos construindo o ser que queremos ser ou se estamos sendo levado pela onda coletiva. Tanto Capricórnio quanto Aries têm uma energia individualizante muito forte, e a sensação de que estamos fazendo algo muuuuuito pessoal quando apenas estamos aderindo à "massa ignóbil" é bem normal. Mas definitivamente o "politicamente correto" deixa de ter qualquer sentido.
Abraço, Flor.
Teca

Anônimo disse...

teca, gostei muito do seu estilo de informar e escrever: elegante, claro e minucioso. Possibilita a leigos e apologistas uma compreensão e um entendimento acessível a respeito deste universo nem sempre misterioso que nos cerca. Obrigada mesmo e continue a nos iluminar com este raro talento,

Patricia

Teca Dias disse...

Puxa, obrigada Patricia. Fico sempre feliz quando faz sentido o que escrevo. Falar de simbolos é às vezes é meio confuso...
Valeu